De acordo com a edição deste sábado do diário The New York Times, as forças do exército terão um  «papel direto no combate» pelo menos durante mais um ano.

No entanto, a Casa Branca havia afirmado que a sua missão no país se destinaria apenas a lutar contra os resquícios da Al-Qaida, e a treinar as forças afegãs.