O líder da célula da Al-Qaeda no Iémen, Sheik Hareth al-Nadhari, afirmou, numa gravação áudio, que os dois irmãos que realizaram o atentado em Paris, esta quarta-feira, são «soldados de Deus», avança a Reuters.
 
Na gravação publicada no Youtube, o líder defende os dois terroristas, afirmando que os irmãos ensinaram a França sobre os limites da liberdade de expressão.
 
Hareth al-Nadhari diz que foram os insultos ao profeta Maomé que causaram os ataques, mas não admitiu ter ordenado o atentado ao «Charlie Hebdo».
 
«Alguns filhos de França foram desrespeitosos com os profetas de Alá, então um grupo de soldados crentes em Alá marcharam contra eles, e ensinaram-lhe a respeitar os limites da liberdade de expressão. Soldados que amam Alá e os seus mensageiros caíram sobre vós, e eles não temem a morte, e adoram ser mártires de Alá».

Segundo a agência Lusa, a célula terrorista prometeu novos ataques em França e avisou que a população francesa «não estará em segurança, enquanto combater Alá e a sua mensagem aos crentes».