Pelo menos 28 pessoas, a maioria civis, morreram este sábado de manhã durante bombardeamentos efetuados pelo regime em Al-Bab, uma cidade síria controlada pelo autodenominado grupo Estado Islâmico, segundo uma organização não-governamental.

Entre os 28 mortos estão 19 civis, dos quais três crianças e três mulheres, precisou o Observatório dos Direitos Humanos da Síria, que tem uma vasta rede de fontes de informação em todo o país.

Em relação aos restantes nove corpos, que se encontravam carbonizados, não foi possível determinar se eram civis ou membros do grupo Estado Islâmico, segundo disse à agência France Presse o diretor do Observatório, Abdel Rahmane.

Os bombardeamentos terão visado um mercado popular.

O exército sírio tem bombardeado regularmente Al-Bab, tomada pelo Estado Islâmico desde o início de 2014.

De acordo com o Observatório dos Direito Humanos, o regime bombardeia regularmente com explosivos as áreas mantidas pelos rebeldes, recorrendo a barris e cilindros de petróleo ou gás com explosivos, causando muitas mortes e danos consideráveis.

No ataque de hoje, o diretor da organização não governamental disse que terão sido usados recipientes maiores e com carga mais poderosa.

O presidente Bashar al-Assad tem negado diversas vezes o recurso pelo exército a barris de explosivos.