A recuperação dos corpos das 118 vítimas do acidente de aviação no Mali prevê-se «muito difícil» devido à desintegração do aparelho, cujos destroços se dispersaram numa área de cerca de 500 metros, informou o chefe de Estado-Maior do Burkina Faso, Gilbert Diendiéré, esta sexta-feira.

Encontrada a segunda caixa negra

Os destroços do avião, um McDonnell Douglas MD83, operado pela companhia aérea Air Algerie que partiu de Ouagadougou, Burkina Faso, com destino à capital da Argélia, foram encontrados no norte do Mali, perto da fronteira com o Burkina Faso.

«Atualmente é muito difícil poder recuperar o que quer que seja. Mesmo os corpos das vítimas, penso que será difícil recuperá-los porque só vimos pedaços de carne humana espalhados pelo chão», justificou Gilbert Diendiéré, em Ouagadougou.

AH5017: divulgadas primeiras imagens dos destroços

Gilbert Diendiéré integrou a delegação do Presidente do Burkina Faso Blaise Compaoré que se deslocou à zona de Gossi, a cerca de 100 quilómetros de Gao, a maior cidade do norte do Mali onde o avião caiu.