Um adolescente muçulmano construiu um relógio mas a tentativa de mostrá-lo a um professor culminou numa detenção e na acusação de fabrico de bomba de brincar.
 
Aconteceu a Ahmed Mohamed, em Irving, Texas, nos Estados Unidos, que disse aos media local ter-se sentido “um criminoso”.
 
O jovem quis mostrar a sua criação – uma placa de circuito impresso e uma bateria ligados digitalmente a um dispositivo inserido numa caixa com projetor de holograma - e levou-o para a escola para mostrar ao seu professor de engenharia.
 
Segundo o Dallas Morning News, o mesmo professor disse-lhe que o relógio era “fixe” mas alertou-o para não o mostrar a mais ninguém.
 
Ahmed Mohamed não mostrou, mas durante a aula de Inglês o alarme disparou mais do que uma vez chamando a atenção da professora, que, depois de ver o aparelho, disse que parecia uma bomba.
 
“Para mim não se parece com uma bomba”, respondeu o menor, que mais tarde nesse dia seria chamado ao gabinete do diretor da escola, onde foi questionado por cinco polícias, sem a presença dos pais, antes de ser levado para um centro de detenção juvenil onde lhe foram tiradas as impressões digitais.
 
De acordo com a escola, que suspendeu Ahmed, todos os alunos e professores têm indicações para reportarem quaisquer suspeitas e que, nesse sentido, todas as medidas são tomadas para proteger o mais possível a escola, os estudantes e a comunidade.
 
O jovem e os advogados da família vão reunir-se com as autoridades nesta quarta-feira, mas o Conselho para as Relações Americano-Islâmicas já está a investigar o caso.