As autoridades dos Estados Unidos detiveram Ahmad Rahami, de 28 anos, suspeito de envolvimento nas explosões do fim de semana em Nova Iorque. A notícia da detenção foi avançada pela Agência Reuters, que cita o mayor de Nova Jérsia.  

Também a NBC, que avança a notícia, citando duas fontes ligadas ao processo, avança que o homem foi detido esta segunda-feira, depois de ter sido atingido a tiro. A agência Reuters acrescenta que dois polícias ficaram feridos durante a operação de captura do suspeito em Linden, Nova Jérsia.

 

 

Ahmad Rahami, um cidadão norte-americano nascido no Afeganistão, foi identificado como suspeito, depois de uma das suas impressões digitais terem sido encontradas num dos dispositivos que não foi detonado, adiantou um alto responsável da polícia. 

Ainda de acordo com a NBC, foi encontrada mais informação que ligava Rahami aos explosivos em telemóveis ligados às bombas que não explodiram. 

Os ataques de que os Estados Unidos foram alvo no último fim de semana obrigaram Barack Obama a falar sobre o assunto

O presidente dos Estados Unidos descartou uma ligação entre as explosões de Nova Iorque e Nova Jérsia e o ataque num centro comercial no Minnesota, que fez oito feridos. Barack Obama admite que este último está a ser tratado como um potencial ato terrorista, segundo a Reuters. 

Autoridades não estão à procura de mais suspeitos de ataques

As autoridades norte-americanas disseram entretanto esta segunda-feira que não estão à procura de mais nenhum suspeito relacionado com os ataques bombistas de Nova Iorque e Nova Jersey, e afastaram a possibilidade de que exista uma célula terrorista em Nova Iorque. 

"Não tenho qualquer indicação de que uma célula [terrorista] esteja operacional na área ou na cidade", declarou Bill Sweeney, o diretor-adjunto do escritório do FBI em Nova Iorque.

Sweeney falava numa conferência de imprensa ao lado do presidente da Câmara de Nova Iorque, Bill de Blasio, que acrescentou que as autoridades não estão à procura de mais nenhum suspeito dos ataques bombistas. 

"Não estamos à procura de mais nenhum indivíduo neste momento", disse o presidente da câmara, citado pela Reuters.


Esta segunda-feira de manhã, as autoridades nova-iorquinas indicaram que Rahami estava a ser procurado pela explosão de sábado à tarde no movimentado bairro de Chelsea, em Manhattan, que fez 29 feridos. Fonte policial acrescentou depois que Rahami também estava a ser procurado por outra explosão no mesmo dia, esta em Seaside Park, ocorrida num percurso pedonal em Nova Jérsia.

Também presente na conferência de imprensa, o presidente da Câmara de Nova Jérsia, Chris Bollwage, disse que Rahami "não estava no radar" da polícia local.

Já o "mayor" de Nova Iorque sublinhou que as autoridades acreditam agora que os atentados à bomba em Nova Iorque e Nova Jérsia foram "um ato de terrorismo".