Um novo caso de agressões sexuais em série está a chocar a Alemanha. Dezoito mulheres apresentaram queixa à polícia por crimes sexuais ocorridos num festival de música, na cidade de Darmstadt. As autoridades, que já detiveram três suspeitos, receiam que o número de queixas venha a aumentar.

Os ataques deste fim de semana trazem à memória os incidentes registados na passagem de ano em Colónia, quando foram apresentadas mais de 1.000 queixas às autoridades por agressões sexuais. 

Foi no sábado, o último dia do festival de música em Darmstadt, que três mulheres apresentaram queixas à polícia, alegando terem sido vítimas de crimes sexuais. Os agressores, descritos pelas mulheres como indivíduos "árabes ou do Norte de África", terão agido em pequenos grupos, cercando as vítimas, à semelhança do que foi relatado em Colónia.

Esta terça-feira, mais 15 mulheres apresentaram queixas pelos mesmos motivos. Segundo a polícia alemã, o número de queixas - até agora 18 - pode não ficar por aqui e aumentar nos próximos dias.

Em comunicado, as autoridades alemãs informaram que já foram detidos três suspeitos e que outros possíveis envolvidos estão a ser procurados. Os detidos são três homens oriundos do Paquistão, com idades entre os 28 e os 31 anos. Ainda de acordo com as informações reveladas, pelo menos dois destes suspeitos são refugiados que pediram asilo à Alemanha.

O festival de música em causa é um dos maiores eventos ao ar livre na Alemanha. Este ano, recebeu 400.000 visitantes em quatro dias.

Depois de mais de 1.000 mulheres terem apresentado queixas por agressões sexuais na passagem de ano, em Colónia, o debate sobre o acolhimento de refugiados subiu de tom e as críticas às políticas de Angela Merkel multiplicaram-se por todo o país, com grupos de extrema-direita a liderarem o movimento anti-refugiados. 

Isto porque as primeiras informações reveladas na imprensa davam conta de que os atacantes eram homens de origem árabe ou africana. As autoridades alemãs concluíram depois que apenas três dos 58 detidos por envolvimento nos crimes de Colónia eram refugiados.