Duas auxiliares num hospital privado arriscam pena de prisão, no Reino Unido, depois de terem admitido que esbofetearam, deram palmadas e humilharam um paciente com deficiência.

De acordo com o «The Telegraph», Rita Page e Lynette Crook foram secretamente filmadas depois de a família do jovem, que não pode ser identificado por razões legais, se ter mostrado preocupada com a forma como ele estava a ser tratado. As duas mulheres são vistas a bater nas pernas da vítima e a insultá-la, enquanto lhe mudam a roupa de cama.

Page, de 68 anos, pode ser ouvida a dizer: «Tu não vai vencer-nos sua b*****. Há uma linha muito ténue entre abuso e negligência. Não te atrevas a ficar doente, menino, não te atrevas. Sua escumalha nojenta».

Crook, de 33 anos, afirma: «É melhor não pensares em ficar doente, rapaz. Eu não trato doentes, então para com isso, escumalha».

As imagens foram recolhidas entre 28 de Agosto de 2012 e 19 setembro de 2012 pela família do paciente internado no Priory Highbank, um hospital privado especializado no tratamento de distúrbios neurológicos, em Greater Manchester.

A família, acreditando que as preocupações em relação à assistência prestada ao jovem, não tinham sido comunicadas aos responsáveis do hospital, decidiu agir por conta própria: escondeu secretamente câmaras de vigilância no quarto do rapaz, que sofre de danos cerebrais provocados por um acidente na infância. O filme foi depois entregue à polícia e as duas auxiliares acabaram suspensas de funções e detidas.

As mesmas imagens surgem agora na comunicação social, numa altura em que Rita Page e Lynette Crook, acusadas de maus-tratos, tomaram conhecimento, na primeira sessão do julgamento, de que enfrentam uma pena de prisão.

Segunda-feira, no primeiro dia do julgamento, que decorre no tribunal de Bolton Crown Court, Rita Page declarou-se culpada de dois crimes relacionados com a linguagem abusiva que utilizou e as palmadas que deu na perna do paciente quando lutava para lhe colocar uma almofada entre as pernas.

Na mesma sessão do julgamento, Lynette Crook declarou-se culpada de três acusações relacionadas com o ter espetado uma caneta no tronco e na cabeça do paciente enquanto ele estava a dormir, e também com o uso de linguagem abusiva e o bater-lhe na perna enquanto lhe media a pressão arterial.

Um porta-voz fez entretanto saber que a administração do hospital Priory Highbank «lamenta profundamente as ações inaceitáveis destes dois membros da equipa, ambas com mais de dez anos de serviço».