Um antigo dirigente da agência de espionagem norte-americana CIA foi considerado culpado, esta segunda-feira, num tribunal de Alexandria, no Estado da Virgínia, de ter entregado informação classificada a um jornalista do New York Times, informou fonte judicial.

Jeffrey Sterling foi considerado culpado de nove acusações reativas a fuga de informações de segurança nacional que, segundo a Procuradoria, colocou em perigo vidas e arriscou comprometer a estratégia dos EUA para o dossier do nuclear iraniano.

O assunto diz respeito a uma operação da CIA no Irão, sobre a qual o jornalista James Risen, do New York Times, redigiu um resumo no seu livro «State of War» («Estado de Guerra»), em 2006.

O juiz federal Leonie Brinkema declarou Jeffrey Sterling culpado e deixou que o antigo dirigente da CIA aguarde em liberdade o anúncio da sua pena, previsto para 24 de abril, adiantaram fontes do tribunal de Alexandria.

James Risen, jornalista que ganhou um Prémio Pulitzer, tinha sido intimado a comparecer em 2008, e depois em 2011, para testemunhar no processo de Jeffrey Sterling mas, instado a revelar o nome da sua fonte, nunca compareceu. Em 13 de fevereiro, a justiça norte-americana decidiu finalmente que não tinha que o fazer.