O presidente do Zimbabué disse que as expropriações de agricultores brancos das suas quintas vão continuar. Robert Mugabe deu esta garantiu durante um discurso na festa do seu 85º aniversário.

«Não vai haver marcha atrás nas reformas. As quintas não vão ser devolvidas aos seus antigos proprietários. Este trabalho irá continuar, mas estas quintas têm de ser usadas correctamente», disse Mugabe.

Milhares de seguidores seus reuniram-se para ouvi-lo dizer aos proprietários brancos que «têm que respeitar a lei» e a decisão de as suas terras terem sido atribuídas a novos donos, no âmbito de uma reforma agrária que já obrigou cerca de quatro mil agricultores a deixarem as suas quiintas.

O líder do país africano recusa aceitar as decisões favoráveis aos agricultores despejados determinadas por um tribunal da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC, na siga em ingês) no último ano.

«Temos tribunais neste país, que podem determinar os direitos das pessoas. Os nossos assuntos de terras não estão sujeitos ao tribunal da SADC», disse.

Ausente da festa de aniversário, esteve o primeiro-ministro, Morgan Tsvangirai, um histórico opositor de Mugabe, que aceitou dividir o poder com o presidente, no passado dia 11. Tsvangirai tem feito sucessivos apelos para que as expropriações terminem.

O Zimbabué vive uma profunda crise económica, com maior parte da população a viver abaixo do limiar da pobreza.

A festa de aniversário de Robert Mugabe tem sido descrita como obscena nos media internacionais em contraste com a miséria do país. Na lista de excentricidades, há oito mil caixas de chocolates Ferrero Rocher, oito mil lagostas, 100 quilos de gambas, quatro mil embalagens de caviar e duas mil garrafas de champanhe.