Uma mulher zimbabueana, erradamente acusada de matar uma criança, foi linchada por uma multidão em fúria no bairro degradado perto de Pretória, capital da África do Sul, informaram esta terça-feira as autoridades locais.

A mulher foi queimada viva, enquanto um homem, também de origem zimbabueana, conseguiu escapar, depois da intervenção da polícia.

O incidente, noticiado hoje, aconteceu na sexta-feira, após dias de tensão no bairro de Laudium, em resultado da morte de um rapaz de oito anos.

Apesar de o rapaz ter morrido eletrocutado, os habitantes locais acusaram o casal de zimbabueanos de bruxaria e cerca de 500 pessoas perseguiram-nos para os lincharem.

«A mulher morreu depois de ser queimada viva por uma multidão, o homem foi salvo pela polícia e levado para o hospital, de onde teve alta na segunda-feira à noite», disse à agência francesa AFP o porta-voz da polícia local, Katlego Mogale.

Três pessoas foram detidas no âmbito da investigação ao assassínio da mulher, mas são apenas acusadas de violência pública, porque «é preciso mais informação» para as acusar de linchamento, reconheceu o porta-voz policial.

Reforços policiais foram enviados para a zona, depois de outra multidão em fúria ter atacado a esquadra da polícia local, no domingo à noite, exigindo a libertação dos três detidos.