Um menino de dois anos foi salvo pelo próprio pai, na semana passada, depois deste ter reconhecido os sintomas ligados à morte por afogamento seco. Garon Vega, do Colorado, nos EUA, reparou que o filho, Gio, manifestava os mesmos sinais que Frankie Delgado. Frankie, de quarto anos, perdeu a vida uma semana depois de ter ido nadar numa praia em Houston, no Texas, onde inalou água.

Foi depois de ler uma notícia sobre Frankie Delgado, que Vega percebeu que tinha de levar o filho ao hospital. Segundo o jornal The Independent, Gio foi para a piscina da comunidade com os pais e foi aí que inalou água. Assim como Frankie, a criança de dois anos começou a fazer febre e a ter dificuldades em respirar.

Foi já no hospital que os médicos verificaram, através de um raio-x, que Gio tinha água nos pulmões. Os pais foram informados de que, se não tivessem levado o filho ao hospital, a criança teria morrido na noite em que apresentou os sintomas.

Vega disse à ABC 13 que sente precisa "de chegar aos pais do pequeno Frankie" e dizer-lhes que:

"Não sei como, mas o filho deles salvou a vida do nosso filho”.

Se não fossem eles, Gio não teria ido ao hospital, uma vez que os pais poderiam pensar que se tratava de outra doença normal nas crianças. “O que aconteceu foi uma coisa infeliz, mas se eu não tivesse dito à minha esposa que ele engoliu água, e se ela não tivesse visto a notícia, teríamos acabado a achar que era uma doença normal”, explicou Vega.

O afogamento seco ou secundário, é o resultado de um espasmo na laringe que bloqueia a passagem de ar, depois de se inalar água, que se acumula nos pulmões, provocando uma grave inflamação. Quando este tipo de situações ocorrem e a água entra nos pulmões, o corpo deixa de conseguir fazer trocas de oxigénio e sangue. 

Os sintomas de afogamento seco surgem 24 a 48 horas após a inalação e incluem vómitos e enjoos, dificuldade em respirar, cansaço, dores no peito, febre e tosse.