Joshua Boyle, que em outubro passado foi libertado juntamente com a mulher e os três filhos, após cinco anos reféns dos talibãs no Afeganistão, foi detido pela polícia de Ottawa, Canadá, por suspeita de 15 crimes, incluindo agressão sexual.

O canadiano e a sua mulher, a norte-americana Caitlan Coleman, foram sequestrados por um grupo ligado aos talibãs (Haqqani), em 2012, quando viajavam pelo Afeganistão. Na altura, Caitlin estava grávida de seis meses. Após cinco anos de cativeiro, foram resgatados pelo exército paquistanês, tendo regressado ao Canadá com três filhos nascidos em cativeiro.

O advogado de Joshua Boyle, Eric Granger, confirmou à agência noticiosa Associated Press (AP) que o seu cliente responde por várias acusações, mas que, até prova em contrário, "é inocente".

Ele nunca teve problemas com a lei até agora. Nenhuma prova foi apresentada ainda, o que é normal nesta fase. Estamos desejosos de receber a fundamentação e defendê-lo das acusações."

Joshua Boyle, 34 anos, está detido desde segunda-feira, depois de ter sido presente a um juiz. Foi acusado, então, de 15 crimes, entre eles oito de agressão, dois de agressão sexual e um por ameaças de morte, todos depois de ter chegado ao Canadá, há cerca de três meses.

Nesta quarta-feira, através de videoconferência com o juiz, ficou a saber que tem nova audiência marcada para o início da próxima semana.

Caitlan Coleman recusou comentar as acusações, mas culpou "a tensão e o trauma vividos durante tantos anos" pelos "efeitos" que possam ter tido no "estado mental" do seu marido, esperando com "compaixão e perdão" que Joshua possa receber a ajuda necessária "para se curar".