Uma britânica que trabalhava numa organização não-governamental foi encontrada morta no aeroporto de Ataturk, na Turquia, refere a AFP. As circunstâncias da morte ainda estão envoltas em mistério, uma vez que Jacky Suton terá sido encontrada enforcada numa casa de banho.

Jacky Sutton tinha 50 anos e trabalhava para o Institute for Peace and War Reporting (IPWR), um organismo que dá apoio a jornalistas e ativistas em locais de conflito, sediado em Londres. A mulher, que já tinha trabalhado como jornalista na BBC e em ONGs, como a ONU, estava em Istambul desde sábado, onde apanharia um voo para o Iraque.

A notícia da sua morte foi anunciada esta segunda-feira pela IPWR, que afirmou que ainda está a “apurar os factos” e as circunstâncias da morte. Alguma imprensa britânica já avançou que Jacky terá sido encontrada enforcada numa sanita do aeroporto.

Os jornais turcos afirmam que a mulher ficou perturbada depois de se ver sem dinheiro para comprar um bilhete de avião, sugerindo que se tratou de um suicídio.

Os colegas e amigos da ex-jornalista já vieram a público descredibilizar esta possibilidade.
 

“A Jacky era uma das melhores profissionais a trabalhar no Iraque e dedicou 10 anos da sua vida para ajudar o país. Ela era extremamente inteligente, muito profissional, capaz de tomar conta de si em situações difíceis e era universalmente amada. Estamos completamente em choque”, afirmou Anthony Borden, o diretor da IPWR.