O Papa saudou este domingo o acordo sem precedentes de luta contra o aquecimento global alcançado por 195 países, na cimeira do clima, em Paris. Francisco apelou para se estar especialmente atento aos “mais vulneráveis”, particularmente afetados pelas catástrofes ambientais.

“A cimeira sobre o clima terminou em Paris com um acordo que bem podemos qualificar como histórico. A sua aplicação exige um compromisso unânime e um generoso empenho de cada um”, sublinhou, com ar grave, segundo a  AFP.


O Papa sublinhou, na oração do Angelus, na praça de S. Pedro, no Vaticano. que é preciso garantir, e “com uma particular atenção”, o futuro das “populações mais vulneráveis”.

“Exorto a comunidade internacional na sua totalidade, a prosseguir com empenho o caminho encetado, num sentimento de uma solidariedade que deve ser sempre cada vez mais ativa”, sublinhou.

Também hoje, o Sumo Pontífice abriu a Porta Santa da catedral de Roma, São João de Latrão. Durante a sua homilia criticou a arrogância dos governantes e proclamou que com o Jubileu “começa o tempo do grande perdão”.