Mais de 300.000 migrantes atravessaram o Mediterrâneo desde janeiro e mais de 2.500 pessoas morreram no mar quando tentavam alcançar a Europa, anunciou esta sexta-feira o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

“O número de refugiados e migrantes que atravessaram o Mediterrâneo este ano já ultrapassou os 300.000, cerca de 200.000 chegaram à Grécia e 110.000 a Itália”, contra cerca de 219.000 em 2014, disse uma porta-voz do ACNUR, Melissa Fleming, num encontro com a imprensa.


Fleming acrescentou que cerca de 2.500 migrantes morreram durante a travessia, precisando que o número não inclui os mortos e desaparecidos ao largo da Líbia na quinta-feira no naufrágio de uma embarcação que transportava à volta de 400 pessoas.

Pelo menos 82 pessoas morreram, sendo que o número pode aumentar visto que ainda há "pelo menos 100 pessoas ainda estão desaparecidas", indicou um oficial da Cruz Vermelha.

Segundo a Reuters, os migrantes terão ficado presos no porão do barco.  A embarcação seguia em direção à Itália quando aconteceu o acidente. 

De acordo com o ACNUR, o ano passado, cerca de 3.500 migrantes e refugiados morreram ou foram dados como desaparecidos no Mediterrâneo.