Um missionário norte-americano foi declarado culpado por abuso sexual infantil de 15 meninos no Haiti, país onde James Arbaugh fazia voluntariado entre 2008 e 2017. O homem foi condenado a 23 anos de prisão pelo Tribunal de Virgínia Ocidental em fevereiro deste ano.

De acordo com documentos do tribunal, citados pelo The Independent, inicialmente James Arbaugh envolveu-se sexualmente com um menino de cinco anos enquanto estava no Haiti. Essas viagens terminaram em 2017, quando o homem de 40 anos foi visto “envolvido num ato sexual inadequado” com uma criança. Tendo sido confrontado com a situação, foi obrigado a voltar para os Estados Unidos.

James Arbaugh contou ao advogado já nos Estados Unidos que se tinha envolvido em atos sexuais com os menores, o que levou o profissional de justiça a denunciá-lo aos Serviços de Proteção de Crianças no dia seguinte. James foi preso em novembro e, mais tarde, admitiu à polícia ter-se envolvido sexualmente com um menino de cinco anos e outros 14 menores durante as viagens missionárias ao Haiti.

No documento judicial pode ler-se que Arbaugh chegou a admitir o que fez e ainda descreveu os atos. O missionário contou como fez com que as crianças se tornassem amigas dele e como as conseguiu preparar para o ato.

Arbaugh declarou que recebeu satisfação sexual dos atos sexuais que praticou com menores no Haiti (...) e ter tido contacto sexual com pelo menos 15 menores", afirmam os documentos do tribunal.

O aliciamento, disse à polícia, previa “contacto sexual limitado com eles para que um dia as vítimas estivessem abertas a um contacto sexual mais significativo”. Este contacto sexual com as crianças incluía acariciar os órgãos genitais dos meninos, bem como dar e receber sexo oral dos menores.

James foi definido como um "lobo em pele de cordeiro" por parecer um missionário altruísta, usando esta imagem para "atacar e abusar sexualmente crianças vulneráveis numa das áreas mais pobres do mundo”, explicou o procurador-geral adjunto Brian Benczkowsk ao canal WHSV, afiliado à ABC

A sentença de hoje é um testemunho do compromisso inabalável dos nossos procuradores de responsabilizar os predadores sexuais como Arbaugh pelos seus crimes deploráveis.", acrescentou o procurador.

O missionário de 40 anos é membro da Igreja Menonita, Cristã, que segue fielmente os ensinamentos de Jesus Cristo.