Abou Hamza, antigo imã de uma mesquita de Londres, foi condenado esta sexta-feira a prisão perpétua em Nova Iorque, na sequência de 11 acusações de sequestro e terrorismo.

O juiz que condenou Hamza considerou os seus crimes como «malvados e bárbaros», segundo noticia a agência France Presse.

O antigo pregador radical foi acusado de conspiração e sequestro, além de auxiliar o rapto de 16 turistas ocidentais no Iemen em 1998 e num projeto, nunca concretizado, de fixar um campo de treino da jihad (guerra santa) em Oregon, no noroeste dos Estados Unidos.