Um grupo de arqueólogos descobriu na Grécia uma rara sepultura de um casal pré-histórico abraçado, anunciou esta quinta-feira o ministério da Cultura grego.

A descoberta foi feita na gruta de Diros, um local de escavações na costa da península do Peloponeso que se sabe ter sido habitado desde 6.000 a.C..

A sepultura foi datada com Carbono 14 como sendo de 3.800 a.C. e os testes de ADN confirmaram que os restos mortais são de um homem e uma mulher jovens, embora não tenha sido fornecida mais informação sobre as respetivas idades.

«Enterros duplos de pessoas abraçadas são extremamente raros e o de Diros é um dos mais antigos do mundo, se não o mais antigo encontrado até hoje», sublinhou o ministério.

Uma escavação de cinco anos naquela área costeira, completada no ano passado, também revelou a sepultura de uma criança e a de um feto, além de um ossário contendo restos de dezenas de pessoas.

Peças de cerâmica, contas e uma adaga foram igualmente encontradas no ossário, que tinha quatro metros de largura, chão de pedrinhas e foi descrito como «único» para aquela época.

«Podemos com segurança concluir que esta área funcionou, na memória coletiva destes grupos, como um local para depositar os seus mortos durante milhares de anos», referiu o ministério da Cultura grego.