Uma menina nos EUA de apenas nove anos deu a notícia de um crime de homicídio que ocorreu numa pequena cidade do Estado da Pensilvânia e foi acusada de sensacionalismo e aconselhada a “ir brincar com bonecas”.

Hilde Kate Lysiak escreve no jornal online Orange Street News, criado por si própria, e no sábado à tarde recebeu uma dica de uma fonte que dava conta de forte atividade policial na Ninth Street em Selinsgrove, onde reside.

Depois de ouvir que havia uma  concentração policial perto da casa onde mora, devido a um homicídio, Hilde Lysiak pegou numa caneta, num bloco de notas e numa câmara, e apressou-se a chegar ao local. Falou com as autoridades e com testemunhas e, pouco depois, já tinha uma notícia publicada "online", em primeira mão.

A jovem publicou uma pequena notícia sobre o incidente com a manchete “EXCLUSIVO: Assassinato na Ninth Street”, acompanhada por um pequeno vídeo gravado no local. 

A peça conta a história de um homem suspeito de matar a mulher com um martelo e inclui citações dos vizinhos e da polícia. A velocidade a que deu a notícia foi tão grande que bateu todos os meios de comunicação concorrentes, refere o The Washington Post.

"Devido ao meu trabalho, consegui manter as pessoas de Selinsgrove informadas sobre este acontecimento importante, horas antes de os meus concorrentes sequer chegarem ao local do crime", disse Hilde Lysiak num ensaio que escreveu para o jornal britânico The Guardian.

Nas horas que se seguiram, vários residentes comentaram de forma depreciativa o facto de uma menina de nove anos ter estado em contacto com um caso desses. Após Hilde Lysiak ter divulgado a publicação na sua página de Facebook e no seu canal no YouTube, vários adultos reagiram com indignação, acusando o pai, um jornalista, de ser irresponsável por deixar a filha cobrir um crime e aconselharam a menina a "brincar com bonecas".

 “Este tipo de comentários irritam-me. Só porque tenho nove anos, isso não significa que não posso escrever uma grande história e não significa que não possa ser jornalista”, disse ainda Hilde Lysiak ao The Guardian.

De todos os comentários o que realmente irritou Hilde foi o de alguém que escreveu: "Parece-me repugnante que uma menina tão adorável ache que é uma jornalista de verdade."

“Sei que o meu trabalho deixou alguns de vocês desconfortáveis e sei que alguns de vocês só querem que fique sentada e quieta porque tenho nove anos. Mas se querem que eu pare de escrever notícias, então saiam da frente dos vossos computadores e façam algo acerca das notícias. Será que isto é ‘adorável’ o suficiente para vocês? “, disse a jovem num vídeo que publicou no seu canal no YouTube. 

Jornal com lápis de cera

De acordo com a BBC News, Hilde Lysiak começou a atividade jornalística aos sete anos, ao fazer um jornal para a família com lápis de cera. A publicação rapidamente se transformou numa fonte comunitária de notícias com site na Internet e página no Facebook.

Em 2014, quando se mudou com a família para a Pensilvânia, decidiu criar o Orange Street News (Notícias da Rua Orange, em tradução livre), que abriu com a notícia do nascimento da irmã.

Aos oito anos já cobria as reuniões do conselho municipal de Selinsgrove, um distrito com cinco mil habitantes, e entrevistava empresários locais, mas ela diz que "crime é definitivamente o meu (assunto) favorito".

Hilde Lysiak é filha de Matthew Lysiak, um experiente jornalista do New York Daily News. Costumava acompanhá-lo quando ele se deslocava para cobrir uma história de última hora, e foi assim que se sentiu motivada a seguir a mesma profissão.

A irmã mais velha, Isabel Rose, de 12 anos, trata dos vídeos e das fotos das reportagens.

"As notícias dela são geralmente positivas", disse o pai, Matthew Lysiak, à agência AP. "(Mas), à medida que ganhou confiança, ela começou a sair dessa rotina", acrescentou.

Hilde Lysiak faz de tudo para que a levem a sério e para servir de exemplo a outras crianças da mesma idade.

"Posso ter apenas nove anos, mas aprendi que o meu trabalho enquanto repórter é contar a verdade às pessoas. Trabalho para elas, não para a polícia. Quero ser levada a sério e tenho a certeza que outros miúdos também o querem. Eles devem saber que, se trabalharem arduamente, podem fazer coisas maravilhosas", referiu.

A terminar o ensaio que escreveu para o The Guardian, Hilde Lysiak rematou: "Sim, sou uma miúda de nove anos. Mas sou uma repórter, em primeiro lugar. Eu dou as notícias".