Pelo menos dez pessoas morreram esta terça-feira em Basilan, nas Filipinas, na sequência de um atentado atribuído ao grupo extremista islâmico Abu Sayyaf, segundo o último balanço das autoridades locais citadas pela agência de notícias Associated Press.

A deflagração de um engenho explosivo numa viatura resultou na morte de um soldado, de cinco elementos das milícias locais e de quatro civis na província de Basilan, uma pequena ilha localizada no sul das Filipinas, informaram as autoridades.

Já o governador da província, que informou os 'media' locais do ataque, sublinhou que há indícios de que este terá sido cometido pelo grupo Abu Sayyaf, que jurou lealdade ao Estado Islâmico (EI).

A explosão da bomba, localizada numa viatura, ocorreu num posto de controlo militar em Lamitan, capital de Basilan.

O ataque ocorreu menos de uma semana após o Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, ter assinado uma lei que concedeu mais autonomia para a minoria muçulmana no sul do país, numa tentativa de isolar os rebeldes islâmicos que ali operam.

O estabelecimento de um Estado Federal no país é considerado um ponto de partida para o cumprimento do acordo de paz assinado em 2014 com a Frente Moro de Libertação Islâmica (FMLI).