E ao terceiro dia da convenção democrata, que decorre em Filadélfia, Obama e Hillary abraçaram-se em palco. Um abraço fervoroso, à semelhança das palavras que o Presidente dos Estados Unidos dirigiu à candidata democrata à Casa Branca.

Posso dizer com confiança que nunca houve um homem ou uma mulher, nem eu, nem o Bill, ninguém mais qualificado do que Hillary Clinton para servir como Presidente dos Estados Unidos”, afirmou Obama, para euforia dos presentes, incluindo Bill Clinton, que aplaudiu de pé e continuou a ouvir elogios à mulher.

“Por mais difíceis que sejam as probabilidades, por mais que as pessoas tentem derrubá-la, ela nunca, nunca desiste! Essa é a Hillary que eu conheço. Essa é a Hillary que acabei por admirar”, disse o Presidente, que assumiu estar “pronto para passar o testemunho” e fazer a sua parte “como cidadão”.

“Peço-vos que se juntem a mim para rejeitar o cinismo e o medo e para evidenciar o que há de melhor em nós para eleger Hillary Clinton como a próxima Presidente dos EUA”, pediu Obama, que não se esqueceu do candidato republicano.

A América já é grandiosa. A América já é forte. E, prometo-vos, a nossa força, a nossa grandiosidade não dependem de Donald Trump”, defendeu Barack Obama, para quem "nenhum muro travará" o sonho americano, em mais uma referência a Trump, que defende a construção de um muro na fronteira com o México.

Tim Kaine aceita ser 'vice' de Clinton

O senador norte-americano Tim Kaine aceitou ser o número dois da candidata à Presidência dos EUA pelo Partido Democrata, Hillary Clinton, e disse que Donald Trump, o candidato republicano, não é de confiança.

"Por todos aqueles que sabem que o futuro mais brilhante para o nosso país é o que construímos juntos, e pela minha amiga Hillary Clinton, aceito humildemente a nomeação do meu partido para ser vice-presidente dos Estados Unidos", disse o senador, numa intervenção na convenção.

No mesmo discurso, alertou que os norte-americanos "não podem acreditar numa única palavra que sai da boca de Donald Trump".