A filha do ator Paul Walker processou a Porsche por homicídio por negligência. Meadow Walker acusa a empresa de ser culpada pela morte do pai, que morreu num acidente de carro em dezembro de  2013, alegando que a empresa tinha conhecimento que a viatura tinha um historial de instabilidade.

Dois anos depois da morte do ator num acidente de carro na Califórnia, nos  EUA, a sua filha, de 16 anos, processou a empresa por inúmeras falhas no equipamento da viatura. Segundo Meadow Walker, o Porsche Carrera GT, de 2005, onde o pai seguia, não tinha alguns sistemas de segurança que poderiam ter impedido a sua morte ou, pelo menos, mantê-lo vivo.

Os advogados Meadow Walker disseram ainda que, se o carro tivesse um sistema de estabilização, o acidente poderia ter sido evitado. O cinto de segurança também foi referido, uma vez que imobilizou o ator no banco do passageiro e acabou por lhe partir as costelas.

De acordo com o processo, citado pelo TMZ, o automóvel ter-se-á incendiado em apenas um minuto e 20 segundos depois do impacto, quando o ator ainda estaria vivo.

Os advogados da marca garantem que o carro não tinha qualquer defeito.

As autoridades da Califórnia afirmaram que acreditam que o acidente se deveu à velocidade a que o veículo circulava e não a problemas mecânicos.

Paul Walker perdeu a vida aos 40 anos, enquanto viajava de carro com um amigo. O ator estava a meio das filmagens do filme “Velocidade Furiosa 7”.