A cantora e atriz Jane Birkin exigiu à marca Hermès que rebatize a mítica carteira em pele de crocodilo com o seu nome, uma das mais caras do mundo, por “práticas cruéis” durante o abate daqueles animais.

“Exigi à casa Hermès para rebatizar a ‘Birkin Croco’ até melhores práticas que respeitem as normas internacionais a serem implementadas para o fabrico do saco", disse, em comunicado, a atriz.


Jane Birkin disse que foi “alertada para as práticas cruéis reservadas aos crocodilos durante o seu abate para produzir carteiras da Hermès” com o seu nome.

O modelo foi criado para a cantora e foi batizado com o seu nome em 1984.

As malas custam entre 9.400 e 141.000 euros, dependendo do seu material. As carteiras podem ser feitas de pele de vitelo, avestruz e couro feito a partir da pele de lagartos, mas o modelo mais caro continua a ser manufaturado com pele de crocodilo.

Recentemente a organização para a defesa dos direitos dos animais, Peta, divulgou um vídeo que mostra as condições em que os crocodilos são criados, em quintas do Texas e do Zimbábue, para serem posteriormente vendidos para produção das malas da marca Hermès. As filmagens mostram os animais a viver em tanques feitos de cimento e a serem abatidos com varetas de metal.

Ingrid Newkirk, a fundadora da associação, já veio a público agradecer as declarações de Jane Birkin.