Um tribunal egípcio condenou hoje 69 islamitas a prisão perpétua pelo incêndio numa igreja copta dos arredores do Cairo, em agosto de 2013, durante a vaga de repressão que se seguiu à deposição do presidente Mohamed Morsi.

A igreja copta de Kerdasa, a sudoeste do Cairo, foi incendiada e uma esquadra da polícia atacada durante distúrbios que se seguiram a uma intervenção policial contra dois campos de manifestantes pró-Morsi, no Cairo, em que morreram cerca de 700 apoiantes do presidente islamita.

O tribunal condenou também dois menores a 10 anos de prisão, segundo fonte judicial citada pela agência egípcia Mena.