Tribunal britânico tinha ordenado quinta-feira que o bebé iria ficar desligado das máquinas que lhe sustentavam a vida. Pais e hospital não chegaram a acordo para programar a morte do menino de onze meses. Segundo a agência Reuters, Charlie Gard morreu esta sexta-feira.

O nosso lindo menino partiu, estamos muito orgulhosos de ti Charlie", afirmou a mãe, Connie Yates, em declarações ao jornal britânico Daily Mail.

Na quinta-feira, um juiz britânico tinha decidido que Charlie Gard iria ser transferido para um hospício, onde iria ser desligado o suporte de vida que mantinha a criança de onze meses ainda viva. O bebé nasceu com o Síndrome de Depleção Mitocondrial, uma doença rara que lhe provocou danos cerebrais irreversíveis.

O juiz Nicholas Francis deu a ordem, depois dos pais e o Great Ormond Street Hospital, onde o bebé estava internado, não terem chegado a acordo, no prazo estipulado, sobre o plano de cuidados para o fim da vida de Charlie. Os pais tinham pedido em tribunal para levar o bebé para casa, esprando que a justiça autorizasse que este morresse em casa.

Recorde-se que o caso despertou a atenção de vários países e instituições internacionais, porque os pais de Charlie, Chris Gard e Connie Yates, mantinham uma batalha legal com o centro hospitalar onde o bebé estava internado, porque este não lhes permitiu tirar de lá o filho para ser submetido a um tratamento experimental nos Estados Unidos ou em Itália.

Na segunda-feira, os pais anunciaram que decidiram renunciar à batalha judicial para o manterem com vida, considerando que já era demasiado tarde para o salvar.

Mundo lamenta

A morte anunciada do bebé Charlie Gard tem vindo a ser lamentada por várias figuras, a começar pela primeira-minsura britânica, Theresa May.

Estou profundamente entristecida com a morte de Charlie Gard. Os meus pensamentos e orações estão com os seus pais Chris e Connie nesta hora difícil", escreveu a primeira-ministra na sua conta oficial de Twitter. 

Desde o Vaticano, o Papa Francisco, que antes se manifestara contra a intenção da justiça britânica de desligar o bebé dos aparelhos de suporte vital, publicou uma mensagem na rede Twitter, em várias línguas, dizendo estara  rezar por Charlie e pelos seus pais.