As autoridades mexicanas já descobriram cerca de 129 cadáveres no sul do estado de Guerrero, no âmbito das operações de busca pelos 43 estudantes desaparecidos desde setembro do ano passado. A informação foi revelada pelo governo depois de um pedido de liberdade de informação interposto pela Associated Press.

Desde outubro e até maio, foram recuperados 129 cadáveres em 60 valas comuns, mas, de acordo com os investigadores, nenhum está ligado aos jovens que desapareceram na cidade de Iguala. Ainda de acordo com as autoridades, a maioria dos corpos é do sexo masculino, havendo cerca de 20 mulheres entre os mortos.

O número de cadáveres encontrados pode, no entanto, ser maior que o divulgado. Isto porque a informação dada à Associated Press apenas contempla as buscas que envolveram peritos.

Os estudantes desapareceram em setembro na sequência de um surto de violência em Iguala. O mesmo surto fez seis mortos e 25 feridos em diferentes zonas do município.

O governo mexicano diz que os 43 estudantes foram raptados por membros de um gang ligado ao tráfico de droga e que os seus corpos foram incinerados, apesar de ainda não haver provas do crime. Alguns traficantes já confesseram que mataram os estudantes e queimaram os seus corpos, depois de, alegadamente, os terem confundido com membros de um grupo rival.

Contudo, muitas famílias recusam acreditar que os estudantes estejam mortos e pressionam o governo para reunir esforços no sentido de esclarecer o paradeiro dos jovens.

Ainda este domingo, uma marcha de protesto reuniu centenas de pessoas no México, incluindo familiares das vítimas que ergueram cartazes, exigindo justiça.