A Lufthansa e outras companhias aéreas alemãs juntaram-se às transportadoras que introduziram uma nova regra de segurança no cockpit durante os voos. A medida impõe a obrigatoriedade de permanecerem sempre dois pilotos no cockpit.

Lufthansa Group entwickelt Sicherheitsstrukturen weiter. Airlines der Lufthansa Group mit „Zwei-Personen-Regel“ http://t.co/OLxYwlMBKS


A nova regra surge depois desta quinta-feira várias companhias aéreas terem anunciado uma resolução idêntica. As transportadoras Easyjet, Norwegian, Icelandair e Air Transat bem como as companhias do Canadá adoptaram esta nova obrigação. 

Em Portugal, a TAP afirmou que não vai mudar as regras para já e vai aguardar por uma recomendação da Agência Europeia e do Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC). 

Esta quinta-feira, o Governo pediu ao INAC (Instituto de Aviação Civil), recomendações sobre uma eventual necessidade de reforçar as medidas de segurança durante os voos. O secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, confirmou o pedido em declarações à 25ª Hora, da TVI24.

«O Governo entendeu dever pedir ao INAC, porque se trata de uma matéria técnica, para avaliar as condições atuais de segurança das companhias aéreas que operam em Portugal e, se entender conveniente, que formule recomendações ao Governo sobre o reforço dessa segurança no voo para que o Governo possa ponderar e sobre elas decidir.»

Depois de na quinta-feira o procurador francês Brice Robin ter divulgado que o copiloto Andreas Lubitz acionou deliberadamente os mecanismos que levaram à queda do avião nos Alpes franceses, esta sexta-feira os procuradores alemães divulgaram novos dados cruciais para o esclarecimento das circunstâncias da tragédia. Após as buscas realizadas às propriedades ligadas a Lubitz, as autoridades encontraram documentos médicos rasgados e concluíram que o copiloto escondeu da entidade patronal que tinha uma doença e devia estar de baixa médica


LEIA MAIS: Copiloto enfrentava crise amorosa e recebia tratamento psiquiátrico