Na Austrália, uma equipa médica anunciou a realização de um feito médico que pode salvar milhares de vidas. Os cirurgiões conseguiram transplantar um coração que já tinha parado de bater para um doente. O procedimento, feito no Hospital São Vicente, em Sydney, já foi feito três vezes e promete aumentar as hipóteses dos doentes que aguardam por um coração novo.

Normalmente, os transplantes de coração são efetuados com os doadores de órgãos em morte cerebral, mas com as funções cardiovasculares ativas. Nos casos agora revelados, os corações tinham parado de bater há, pelo menos, 20 minutos quando os cirurgiões os removeram.

Os transplantes decorreram nos últimos meses e os três pacientes estão bem. O procedimento implica que os corações sejam injetados com uma «solução de preservação», desenvolvida pelo próprio hospital, e posteriormente ligados a uma máquina que mantém o coração oxigenado, com nutrientes e hormonas durante o transporte. Normalmente, os corações são transportados em gelo, o que aumenta o risco de danos.

O Instituto que trabalhou com o hospital, The Victor Chang Cardiac Research Institute, já afirmou que o procedimento vai permitir um «aumento dos corações disponíveis para transplantes».