Cerca de meio milhão de pessoas enchem o centro de Barcelona numa manifestação contra o terrorismo, após os ataques do dia 17, sob o lema “Eu não tenho medo” - "No tinc por!", em catalão - estando presente o rei de Espanha e do chefe de governo espanhol.

A encabeçar a manifestação, que começou pouco depois das 17:00 em Lisboa (18:00 em Espanha), estão 75 representantes de todas as forças de segurança – Mossos d'Esquadra, Polícia Nacional, Guarda Civil e polícias locais – e de emergência, assim como as entidades civis que tiveram um papel de destaque no passado dia 17 de agosto, no decorrer dos atentados de Barcelona e Cambrils, nos quais morreram 15 pessoas e mais de 120 ficaram feridas.

Assim que integrou a manifestação, o rei de Espanha aplaudiu os Mossos de Esquadra e o resto dos corpos de segurança, tendo-os cumprimentando um a um, entre demonstrações de afeto, acompanhado pelo chefe de Governo espanhol, Mariano Rajoy, entre outras personalidades.

Apesar do lema e motivo da marcha, à passagem do imenso cordão humano, foram audíveis assobios, dirigidos essencialmente à segunda fila onde desfilavam líderes políticos.

Numa marcha em que predominam as bandeiras da Catalunha, face às de Espanha, o protesto contra o terrorismo tem mostrado também o forte sentimento autonómico dos catalães, cujo governo marcou para o dia 1 de outubro um referendo sobre a independência face a Espanha, acto que o executivo espanhol não reconhece.

Rei chegou a ser vaiado

Assim que chegaram, tanto o Rei Felipe VI, como Mariano Rajoy foram vaiados por alguns movimentos independentistas que conseguiram aproximar-se da frente da manifestação.

Os primeiros assobios, por volta das 17:45, foram para Mariano Rajoy e membros do Governo espanhol. Um pouco mais tarde, aconteceu o mesmo ao monarca espanhol.

Mesmo atrás desta primeira fila que encabeça a manifestação, e antes das filas destinadas aos políticos e representantes institucionais, há uma segunda frente onde seguem os representantes civis, com destaque para os familiares das vítimas dos atentados.

A integrar a manifestação pode ver-se um grande número de emblemas independentistas, sobretudo concentrados atrás dos políticos, assim como bandeiras catalãs e espanholas por todo o percurso.

Foram também exibidos dois grandes cartazes azuis com as frases “As vossas políticas, as nossas mortes”, e “Felipe VI e o Governo, cúmplices do tráfico de armas” de coletivos pela independência e que são contra a presença do rei e do governo central.

Mas o verdadeiro tema central que protagonizou a manifestação contra o terrorismo, em fundo branco e com letras pretas, foi o “No tinc por”, em português “Não tenho medo”, que também foi entoado de forma reiterada e que se podia ler em diferentes idiomas e em cartazes mais pequenos, levados cidadãos de diferentes nacionalidades, muitos deles turistas.

O Rei, Rajoy e as restantes autoridades caminharam pelo ‘Paseo de Gràcia’ até à Praça da Catalunha, ladeados por jovens de diferentes religiões, entre eles uma jovem com um lenço islâmico.

Estreia do rei

Além da presença de meio milhão de pessoas, segundo números da polícia catalã, a marcaha contou igualmente com a presença do Rei Felipe VI, tendo sido a primeira vez em que um chefe de Estado espanhol participou numa manifestação.

Com este ato histórico, o Rei quis dar o máximo destaque para a rejeição de Espanha aos atentados jiadistas do passado dia 17 de agosto em Barcelona e Cambrils, que mataram 15 pessoas e feriram mais de 120.

A manifestação terminou na Praça da Catalunha, com uma ação que durou cerca de 10 minutos e durante a qual se ouviu música de Pau Casals e foram lidos textos de Frederico García Lorca e de Josep Maria de Sagarra. O momento terminou com os manifestantes a cantarem a frase “No tinc por”.

O ato foi conduzido pela atriz Rosa Maria Sardà e pela porta—voz da Fundação Ibn Battuta, Míriam Hatibi, que leram um manifesto onde reiteravam “Não temos medo”.

Os que hoje estamos aqui viemos para gritar bem alto e a uma só voz: Não tenho medo”, constava no manifesto lido em catalão e castelhano.

"Ato de liberdade"

O chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, destacou que a manifestação em Barcelona contra o terrorismo, considerando ter sido um ato “pelas vítimas e pela liberdade”.

Na sua conta pessoal na rede social Twitter, colocou uma foto da frente da manifestação, onde aparece ao lado do rei de Espanha, Felipe VI, e outras personalidades políticas, como a presidente do Congresso, Ana Pastor, e do Senado, Pío García-Escudero, assim como o ex-primeiro-ministro José Luis Zapatero, o líder do PSOE, Pedro Sánchez, ou a ministra da Defesa, María Dolores de Cospesal.

“Em Barcelona, pelas vítimas e pela liberdade. #NoTincPor #NoTenemosMiedo”, escreveu o chefe do Executivo espanhol.