Um militar é o principal suspeito de ter matado 11 pessoas - oito soldados e três civis, dos quais dois cidadãos espanhóis - no Destacamento Militar de Monte Tchota em Rui Vaz, concelho de São Domingos, Santiago, avança a Rádio de Cabo Verde.

O homem continua a monte e está neste momento montada uma operação de caça ao homem, que envolve meia centena de militares e outros tantos agentes da polícia nacional, escreve o jornal A Nação.

Os corpos já terão sido levados para o hospital da Praia para autópsia.

Não se tratará de atentado terrorista nem de um massacre relacionado com o narcotráfico, como foi inicialmente apontado.

O Ministro da Administração Interna de Cabo Verde, Paulo Rocha, afirmou que o ataque teve "motivações pessoais" e indicou que as autoridades estão à procura do suspeito.

O ataque ao destacamento militar do centro retransmissor do Monte Txota, concelho de São Domingos, teve "motivações pessoais que excluem a ideia de atentado contra o Estado de Cabo Verde", afirmou, em conferência de imprensa, o ministro, afastando também qualquer ligação do caso a situações de narcotráfico.

Um soldado afeto ao próprio destacamento encontra-se desaparecido e há fortes indícios de que o mesmo esteja envolvido nos acontecidos", disse o governante.

Esta manhã, foi encontrada uma viatura alugada abandonada com a chave na ignição e uma arma militar num dos bancos, que já se encontra na alçada da Polícia Judiciária. 

De acordo com a Inforpress, tanto o Presidente da República como o primeiro-ministro estão reunidos com as respetivas equipas e a qualquer instante deverão falar ao país.

Fonte militar revelou ainda à agência que, contrariamente ao que foi avançado inicialmente, “as armas dos militares que estavam de serviço no Destacamento Militar de Monte Tchota formam todas encontradas no local”.

 

Saídas por mar interditas

A Agência Marítima e Portuária (AMP) cabo-verdiana interditou esta terça-feira as saídas ao mar "até segunda ordem", na sequência do caso dos 11 mortos encontrados num posto militar do país.

Mediante incidente ocorrido hoje em "Monte Txota", zona de São Domingos - ilha de Santiago, e por determinação da AMP - Agência Marítima e Portuária - as saídas ao mar estão interditas até segunda ordem", lê-se num comunicado da Cabo Verde Fast Ferry, empresa que realiza viagens de barco entre as ilhas cabo-verdianas.

Neste sentido, a companhia informa que as viagens estão canceladas até que seja levantada a interdição por parte das autoridades", prosseguiu a nota da companhia, sem avançar mais pormenores.