O último balanço da Proteção Civil de Itália dá conta de 250 mortos na sequência do terramoto de magnitude 6,2 na escala de Richter que devastou várias localidades no centro do país. Ainda segundo este balanço, há 365 feridos. 

O responsável da Proteção Civil Fabrizio Curcio afirmou que este é ainda um balanço provisório e que as autoridades temem que o número de mortos possa ultrapassar o que foi registado no último grande sismo, o de Áquila que em 2009 fez 309 mortos.

Ao longo desta quinta-feira foram feitos vários balanços. Logo ao início desta manhã, a Proteção Civil indicou que havia 247 mortos, mas o número acabou por ser revisto para 241 depois de as autarquias terem atualizado o número de vítimas. Agora, no entanto, voltou a subir. 

Ocorrido na madrugada de quarta-feira, o terramoto fez pelo menos 190 mortos na região de Lazio, figurando como um dos mais mortíferos dos últimos anos em Itália.

Mais de 300 réplicas foram registadas, durante a noite passada, nas zonas do centro de Itália atingidas, na madrugada de quarta-feira, pelo terramoto.

Segundo os dados do Instituto Italiano de Geofísica e Vulcanologia (INGV), a maior das réplicas registadas nas últimas horas, de 4,5, ocorreu às 03:17 (02:17 em Lisboa) e afetou a província de Rieti.

Por sua vez, Filipe Caetano, repórter da TVI em Amatrice, conta no Twitter que cerca das 5:15 se registou uma forte réplica na região.

LEIA TAMBÉM: O "milagre" da vida no meio da destruição