As plantações de tabaco na Indonésia, que fornecem centenas de marcas ocidentais, empregam milhares de crianças em condições perigosas para a sua saúde, denuncia um relatório da Human Rights Watch divulgado esta quarta-feira.

A lei indonésia interdita o trabalho a menores de 18 anos nas indústrias perigosas.

A organização de defesa dos direitos do homem Human Rights Watch cita dezenas de casos de menores – alguns com apenas oito anos – que ficaram doentes depois de terem manuseado folhas de tabaco ou pesticidas sem proteção.

A Indonésia conta com 500.000 plantações de tabaco que alimenta essencialmente o mercado interno. Não obstante, um quarto da produção de tabaco indonésia é exportada, e revendida aos gigantes da indústria tabaqueira, disse à AFP, Jo Becker, da HRW.

Um fumador que aceda um Dunhill, um Lucky Strike ou outro cigarro na Europa ou nos Estados Unidos poderá estar a fumar um cigarro fabricado na Indonésia graças ao trabalho infantil".

Segundo acusa a HRW no relatório de 113 páginas, nenhuma das multinacionais de tabaco que operam na Indonésia tem uma política "suficiente para garantir que as crianças estão protegidas".