O Japão ainda armazena em depósitos temporários centenas de milhares de toneladas de detritos contaminados pela radiação libertada pela central nuclear de Fukushima no acidente de 2011, com os municípios a oporem-se à sua transferência.

No total, 166 mil toneladas de detritos radioativos, que incluem cinzas de material incinerado, permanecem em armazéns temporários divididos por 12 municípios, sem que o Governo japonês possa transferi-los para os depósitos concebidos especialmente para os albergar, informa hoje o diário Asahi.

O desastre provocado pelo sismo seguido de tsunami de 11 de março de 2011 provocou a fusão parcial de três reatores de Fukushima, que espalharam substâncias radioativas no nordeste do país.