Um autocarro que transportava membros da guarda presidencial explodiu, esta terça-feira, em Tunes, capital da Tunísia, causando pelo menos 12 mortos e um número indeterminado de feridos, avança a rádio local Mosaique, que cita o prota-voz do ministério do Interior.

Walid Louguini confirmou à agência Reuters que se tratou de um "ataque", enquanto fonte da presidência disse que o cenário mais provável é que uma bomba tenha sido detonada dentro do autocarro.
 
A explosão aconteceu na avenida Mohamed V, pedro da sede do RCD, o partido que Governou o país desde 1956 até 2011.

A zona foi cercada pelas autoridades e os feridos foram levados para o hospital.

Na sequência deste ataque, o presidente da Tunísia, Beji Caid Essebsi, declarou o estado de emergência durante 30 dias, e o recolher obrigatório até às 5:00 da manhã de quarta-feira (4:00 em Lisboa).