Duas crianças morreram e outras duas pessoas, incluindo outro menor, ficaram gravemente feridas na sequência da detonação de um engenho explosivo no município do Cela, província do Cuanza Sul, noticiou a rádio pública angolana.

As crianças sobreviventes, devido à gravidade dos ferimentos, vão ser transferidas para o hospital do do Huambo.

O incidente ocorreu, como explicou um dos feridos, Joaquim Azevedo, de 24 anos, quando o grupo caminhava e encontrou o projétil, de 60 milímetros, fora da estrada, tendo uma das crianças deflagrado o engenho explosivo ao arremessá-lo, por mais de uma vez, contra o chão.

Segundo o enfermeiro David da Costa, deram entrada no hospital ainda com vida três das quatro vítimas, tendo uma delas acabado por falecer.

A guerra civil em Angola prolongou-se entre 1975 e 2002, mas, desde então, estima-se que a desminagem apenas tenha chegado a metade do país, com mais de mil campos identificados que permanecem por desminar.

Angola precisa de 246 milhões de dólares (cerca de 214 milhões de euros) para concluir o programa de desminagem do país até 2025, conforme compromisso assumido em cumprimento do artigo 5.º da Convenção de Otava, da qual é subscritora.

Dados revelados, em junho de 2017, na Conferência Nacional sobre Desminagem, davam conta que os resultados globais de desminagem no país apontavam para a limpeza de 3.540.924 metros quadrados de áreas, 47.150 quilómetros de estradas, 3.218 quilómetros de linhas de ferro, 2.800 quilómetros de linhas de transporte de energia e 10.000 quilómetros de linhas de fibra ótica.

Por outro lado, foram removidas 419.101 minas antipessoal e 26.391 antitanque, bem como 5.960.346 outros engenhos remanescentes da guerra.