A Jordânia revelou esta terça-feira que assinou um acordo com a Federação Russa para a construção da primeira central nuclear no reino por um valor de 10 mil milhões de euros (9,2 mil milhões de euros).

O acordo foi assinado por Khaled Tukan, chefe da Comissão da Energia Atómica da Jordânia, e Sergey Kirienko, presidente executivo da empresa estatal russa para a energia atómica, a Rosatom.

O acordo «define o quadro legal» da cooperação para o projeto, disse Tukan, citado pela agência noticiosa estatal, Petra.

Inclui também os termos de fornecimento do combustível para a central e o tratamento dos resíduos.

A central, que deve ser construída na área desértica de Amra, a norte de Amã, deve incluir dois reatores de mil megawatt.

A Jordânia justificou o recurso à energia nuclear com a urgência de responder a necessidades crescentes e alimentar unidades de dessalinização de água para combater a sua escassez deste líquido vital.

Com a data de conclusão prevista para 2023, o projeto vai ser financiado pelos russos em 49%.