A ex-secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton reuniu-se na segunda-feira com o Presidente Barack Obama na Casa Branca, quando se intensificam os rumores de que se prepara para anunciar a sua segunda candidatura presidencial.

«O Presidente Obama e a senhora Clinton gostam de trocar informações pessoalmente quando as suas agendas o permitem», afirmou o porta-voz da Presidência, Josh Earnest. «Hoje à tarde, reuniram-se em privado durante cerca de uma hora e falaram de vários assuntos».

Hillary Clinton passou o dia de segunda-feira em Washington, onde tem uma casa, tendo feito duas intervenções públicas. Não está prevista nenhuma outra deslocação nas próximas semanas, o que alimenta os rumores de um anúncio iminente da sua candidatura.

Durante uma conferência na manhã de segunda-feira, Hillary Clinton denunciou os «bunkers ideológicos» da vida política atual e renovou o seu apelo a uma colaboração não partidária para lutar contra as desigualdades, um tema frequente nos seus discursos desde o ano passado.

«Faz bem discutir com base em provas, sobre o que funciona e o que não funciona», afirmou no Centro para o Progresso (Norte-)Americano, um centro de reflexão progressista que lhe é próximo.

«Um dos maiores problemas atuais é a desigualdade de rendimentos, combinada com uma estagnação salarial», disse, concluindo que «não há mobilidade social ascendente».

Avançando eventuais pontos fundamentais do programa da sua candidatura, a democrata citou trabalhos de um economista da Universidade de Harvard, Raj Chetty, sobre os obstáculos à ascensão social.

Ao seu lado estavam vários sindicalistas, designadamente o presidente do maior sindicato de funcionários públicos de autarquias norte-americanas a nível de município, condado e Estado, o AFSCME, Lee Saunders.

À noite, Clinton deve participar em Washington na cerimónia de entrega de um prémio de jornalismo político, o Toner Prize, que consagra o antigo jornalista político do New York Times Robin Toner, falecido em 2008.

A campanha para as presidenciais de 2016 acelerou hoje com o anúncio da candidatura do senador republicano Ted Cruz, o único a ter oficializado a sua intenção, até agora.

Nos democratas, Hillary Clinton domina largamente as sondagens para as primárias do partido, que devem começar dentro de dez meses no Estado do Iowa.