A exclusão da Rússia do sistema SWIFT de transações bancárias pode ser uma das opções às sanções caso as tréguas na Ucrânia não sejam respeitadas, disse o primeiro-ministro britânico, David Cameron.

Em janeiro, a Rússia disse que iria retaliar de «forma vigorosa» se se viesse a verificar o corte do SWIFT, o sistema de mensagens ligado a transações bancárias utilizado pelas organizações financeiras a nível internacional.

O primeiro-ministro britânico, perante uma comissão do parlamento de Londres, disse que o Reino Unido defende sanções mais duras contra Moscovo caso venham a falhar as tréguas entre os separatistas pró-russos e as forças ucranianas.

«Espero que, coletivamente, a União Europeia, venha a responder de forma robusta com novas sanções», disse Cameron, referindo-se a medidas que podem atingir a economia da Rússia.

“Devemos encarar outros caminhos e obviamente encaramos os aspetos relacionados com o sistema SWIFT”, afirmou o primeiro-ministro acrescentando-se que pode tratar-se de uma “grande decisão ” mas que existe uma “lógica” para a implementar.

David Cameron disse ainda que, “se a Rússia vai abandonar as regras do sistema do século XXI, então tem de começar a pensar onde se vai posicionar quando tiver de recorrer aos investimentos e aos procedimentos bancários do século XXI”.

As declarações de Cameron acontecem doze dias após das conversações de Minsk e numa altura em que os acordos podem colapsar totalmente, após as repetidas violações cometidas por ambas as partes.

O Reino Unido anunciou hoje que vai enviar 75 militares que vão prestar assistência e treino às forças de Kiev.