Dois homens foram detidos, no domingo, em Marrocos, por suspeitas de ligações aos elementos da célula extremista que levou a cabo os atentados em Barcelona e Cambrils, dos quais resultaram no total 15 vítimas, às quais há a juntar a morte de oito desses radicais, seis dos quais baleados pela polícia da Catalunha.

A televisão estatal marroquina 2M relatou na terça-feira à noite que um dos detidos tem 28 anos e foi apanhado em Nador, perto da cidade espanhola de Melilha, localizada no norte de África e rodeada pelo território marroquino.

O indivíduo, segundo a televisão, viveu 12 anos em Barcelona e sobre ele haverá suspeitas de ligações ao Daesh, o autoproclamado Estado Islâmico, além de indícios de ter conspirado para levar a cabo um atentado contra a embaixada espanhola em Rabat, caso sobre o qual não foram dados mais detalhes.

Segundo a agência noticiosa Reuters, a televisão marroquina terá adiantado que as autoridades não encontraram nenhuma ligação direta do homem com os doze elementos da célula que perpretou os atentados, mas que o mesmo celebrou a matança na sua página de Facebook.

Um segundo suspeito foi também detido na cidade de Oujda, perto da fronteira de Marrocos com a Argélia. Segundo a televisão estatal marroquina, citada pela Reuters, seria um residente em Ripoll, a cidade nos arredores de Barcelona, onde a célula dos jovens radicais também vivia.

Até ao momento, as autoridades marroquinas nada disseram sobre as detenções.