Vários ataques foram evitados no passado, na Alemanha. A revelação parte de Peter Altmaier, braço direito da chanceler Angela Merkel, falando na noite de sexta-feira, após o tiroteio ocorrido num centro comercial, na cidade de Munique.

Altmaier comunicou à imprensa que no sábado haverá uma reunião do gabinete de segurança do governo alemão, mas não quis adiantar nada sobre as causas do tiroteio.

Não podemos excluir uma ligação ao terrorismo, mas também não o podemos confirmar. Mas estamos a investigar nesse sentido”, sublinhou Peter Altmaier.

Sem poder confirmar se o tiroteio foi uma ação terrorista ou um ataque individual, Altmaier assumiu com certeza absoluta tratar-se de um ato “cruel e inumano”.

Falando à imprensa, Peter Altmaier assumiu que a Alemanha tudo fará para prevenir ataques extremistas e que toda a colaboração necessária está a ser dada pela autoridade federal ao governo regional e polícia da Baviera.

Igualmente o ministro alemão dos Negócios Estrangeiros já veio dizer não haver ainda certezas sobre as motivações do horroroso ataque.

Continuamos com pistas contraditórias”, disse Frank-Walter Steinmeier.

“Ataque assassino”

Para o presidente alemão, Joachim Gauck, o tiroteio foi algo “horroroso” e “um ataque assassino”.

Estou com todas as vítimas nos meus pensamentos e com todos os que estão de luto e em dor pelos seus entes queridos”, disse Gauck à imprensa.

O presidente alemão mostrou ainda a sua “solidariedade” para com todos os que estão nos serviços de emergência lutando para “proteger pessoas e salvar vidas”.