A Polícia Marítima portuguesa em missão na Grécia resgatou e apoiou 205 migrantes em dez horas de patrulha, elevando para 1.701 os refugiados e migrantes já resgatados, segundo um comunicado hoje divulgado.

Foram resgatadas 105 pessoas de duas embarcações que se encontravam em grandes dificuldades para realizar a travessia entre a Turquia e a ilha grega de Lesbos. Foram ainda apoiadas pela Polícia Marítima outras 100 pessoas de mais duas embarcações no mar Egeu.

Estes resgates e apoio a migrantes ocorreram na sexta-feira e foram hoje comunicados pela Autoridade Marítima Nacional.

“Após avaliadas as condições de flutuabilidade e navegação das quatro embarcações, as condições climatéricas e sobretudo as condições em que se encontravam todos os emigrantes e refugiados, a equipa da Polícia Marítima (PM) decidiu resgatar para o interior da embarcação Tejo todos os bebés, crianças, mulheres e alguns homens de duas embarcações”, refere o comunicado da PM hoje divulgado.


As duas embarcações em que seguiam os migrantes eram “bastante fracas”, sem capacidade para transportar todas as pessoas que seguiam a bordo e já se encontravam a meter água.

Os homens que não foram resgatados permaneceram nos respetivos botes, que foram rebocados em segurança até ao porto de Skala Sikamineas, na Grécia.

A equipa da Polícia Marítima apoiou ainda um bebé de um ano que corria o risco de entrar em hipotermina.

No porto onde desembarcaram todos os que seguiam nestas embarcações, encontravam-se equipas médicas de Organizações Não-Governamentais que deram apoio ao bebé e aos restantes migrantes.

As outras duas embarcações, com cerca de 50 pessoas a bordo em cada, foram escoltadas pela Polícia Marítima para garantir que todos chegavam em segurança à praia de Yeorgios e ao porto de Skala Sikamineas.

Até ao momento, a Polícia Marítima em missão na Grécia já resgatou 1.701 refugiados e migrantes, dos quais 374 bebés e crianças. A missão da PM no mar Egeu termina no dia 30 de setembro do próximo ano.