O furacão Maria atingiu fortemente Porto Rico, na quarta-feira, deixando toda a ilha sem energia elétrica. Uma situação que se pode prolongar por meses, uma vez que a rede elétrica do país estava já em muito mau estado antes dos furacões deste ano.

De acordo com a Reuters, as plantas do sistema elétrico têm 44 anos, o que as torna vulneráveis a este tipo de fenómenos. A companhia PREPA, que declarou falência em julho, alertou que o sistema "está degradado e é inseguro" e, de acordo com um plano fiscal divulgado em abril, foi "a falta de investimento durante anos degradou a infraestrutura".

A situação financeira de Porto Rico não ajuda neste cenário, uma vez que a ilha acabou de sair de uma recessão que durou uma década. 

Por estas razões, é esperado que a recuperação da energia na ilha seja um processo difícil. De acordo com o governador Ricardo Rosselló, em declarações à CNN, "tudo depende dos danos nas infraestruturas".

Tenho receio que sejam severos. Se forem... estamos a olhar para meses em vez de semanas ou dias", lamentou.

Furacão recupera categoria três

O furacão Maria voltou a atingir a intensidade três, de um máximo de cinco, ao aproximar-se do extremo oriental da República Dominicana, com ventos de 185 quilómetros por hora, informou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos.

Por volta das 02:00 (06:00 em Lisboa), o centro do furacão Maria localizava-se a 90 quilómetros de Punta Cana e a 380 quilómetros a sudeste das ilhas Turcas e Caicos avançando a uma velocidade de 15 quilómetros por hora em direção a nordeste.

Após ter perdido força, quarta-feira, na passagem por Porto Rico, de onde saiu como furacão de categoria dois (escala de intensidade Saffir-Simpson) voltou hoje à categoria três, com ventos de 185 quilómetros por hora.

O ciclone deve ganhar ainda mais força nas próximas horas e dias.