Três jornalistas freelance espanhóis foram sequestrados na Síria, segundo avançaram, nesta terça-feira, fontes da associação de jornalistas de Espanha (FAPE) ao jornal El País. 

Segundo as mesmas fontes, Ángel Sastre, Antonio Pampliega e José Manuel López - que estavam na cidade de Alepo - estão desaparecidos desde o dia 11, data do último contacto, pelo que se teme que tenham sido sequestrados. 

Os três jornalistas chegaram a Alepo no dia 10 de julho através do sul da Turquia. Nesse mesmo dia, Sastre escreveu uma mensagem simples no Twitter: "Coragem".
 
Ángel Sastre é um jornalista experiente em zonas de conflito. Colaborador dos jornais Cuatro, Onda Cero e “La Razón”, Sastre já esteve em Alepo, durante um mês, em outubro de 2013 juntamente com Antonio Pampliega e o José Manuel López.

Lopéz trabalha desde 2010 como freelancer em países como Afeganistão, Iraque, Palestina, Kosovo, Irão, Haiti, Guatemala, Venezuela RD Congo, Síria, Somália e Sudão do Sul.

Por sua vez, Antonio Pampliega é jornalista, autor do blogue " Un Mundo En Guerra" e colaborou recentemente com a produtora Cuerdos de Atar e fez parte da equipa do programa Infiltrados, da Cuatro, onde estreou uma reportagem sobre a jihad e os espanhóis que se alistaram ao Estado Islâmico. Numa entrevista ao canal, Pampliega recordou os duros dias que viveu em Alepo.

“Quando estás no campo de batalha, não sentes medo. Eu vou para a Síria sabendo que posso morrer a qualqer momento. Vi como a Jihad assassinou os meus colegas, os meus amigos, mas não penso deixar de ir porque, como jornalista, tenho a responsabilidade de contar o que se passa ali", afirmou à Cuatro.


O ministro dos Negócios Estrangeiros está "ao corrente da situação" e estão a "trabalhar no caso".