A onda de ataques em Austin, no Texas, continua a manifestar-se. Ocorreu uma nova explosão, esta noite de terça-feira, uma delas numa loja da organização não-governamental Goodwill, na parte sul da cidade. Foi uma encomenda que explodiu.

As autoridades já deram indicação de que transportaram para o hospital um ferido grave, com cerca de 30 anos, que não corre risco de vida.

Inicialmente, as autoridades ligaram esta explosão às anteriores e que, até agora, causaram a morte a duas pessoas e ferimentos graves em outras quatro.

 

“Não explodiu um pacote. Os elementos dentro do pacote não eram uma bomba, mas um artefacto incendiário. Neste momento, não temos nenhuma razão para acreditar que este incidente tenha relação com as bombas anteriores”, informaram as autoridades policiais através da rede Twitter.

A deflagração ocorreu na terça-feira à tarde perto de uns grandes armazéns de uma organização sem fins lucrativos (Goodwill), no sul de Austin, causando ferimentos graves a um homem de 30 anos, que no entanto se encontra fora de perigo de vida.

A capital do Texas vive aterrorizada por uma série de pacotes contendo bombas que explodiram, este mês, sem motivo aparente nem objetivos concretos. As autoridades têm afastado ligações a terrorismo.

Desde o início do mês, explodiram cinco pacotes, que provocaram dois mortos e seis feridos.

Esta terça-feira, o presidente norte-americano, Donald Trump, denunciou os “doentes” que estão por trás destes ataques.

“Os atentados à bomba em Austin são horríveis”, declarou o chefe de Estado norte-americano à imprensa em Washington, qualificando os autores como “pessoas doentes”.

“Temos de os encontrar o mais depressa possível”, acrescentou.

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, tinha referido anteriormente que não existia qualquer “ligação aparente ao terrorismo, neste momento”.

As autoridades acreditam que as cinco explosões estão ligadas.