O Presidente Bashar al-Assad disse que quer ser lembrado daqui a dez anos como "o homem que salvou a Síria". As palavras foram ditas durante uma entrevista ao jornal espanhol El Pais, publicada no sábado.

Assad, cujo destino tem sido uma das questões fulcrais nos esforços para acabar com a sangrenta guerra civil iniciada em 2011, deixou em aberto se iria continuar a ser o presidente em 2026.

"Daqui a dez anos, eu quero ter sido capaz de salvar a Síria, mas isso não significa que vou continuar a ser presidente."

Recentemente, um relatório da SCPR, uma organização não governamental, revelou que já morreram 470 mil pessoas nos últimos cinco anos na Síria. Destas, 400 mil foram vítimas da violência que eclodiu no país a partir de 2011, 70 mil morreram em consequência da falta de medicamentos, água potável ou comida, por exemplo.

A fasquia do número de feridos é colocada em 1,9 milhões, segundo a SCPR. Com a análise destes valores, o mundo ficou a saber que a esperança de vida na Síria, que se situava nos 70 anos em 2010, baixou para 55 anos em 2015.