A Eslovénia vai usar o exército para reforçar o controlo na fronteira, devido à crise de refugiados que se tem intensificado no país. A medida foi anunciada esta terça-feira pelo governo de Miro Cerar, em comunicado, após uma reunião de emergência durante a noite e deverá ser aprovada pelo parlamento esta terça-feira.

“O fluxo de migrantes nos últimos três dias excedeu toda a capacidade de gestão, escreve o governo, acrescentando que o parlamento terá de aprovar uma emenda à legislação para que, “em circunstâncias muito específicas (…), os soldados eslovenos tenham tarefas adicionais”.

O exército, que de acordo com a lei atual só pode prestar apoio logístico e técnico, poderá, assim, ajudar a polícia a lidar com a vaga.

A crise de refugiados na Europa está a criar uma grande tensão na região dos Balcãs, onde as restrições à entrada de refugiados têm bloqueado o caminho até aos países do norte e centro do continente europeu. Depois de a Hungria ter fechado a fronteira, o fluxo intensificou-se em países como a Croácia, a Eslóvenia e a Sérvia. No caso da Eslovénia, só podem entrar no país 2.500 refugiados por dia.

O Alto Comissariado da Nações Unidas para os Refugiados alertou esta segunda-feira que há falta de bens essenciais como comida ou cobertores.