Pelo menos 70 militares do regime sírio foram mortos nos dois últimos dias numa ofensiva do grupo autointitulado Estado Islâmico no leste das províncias de Homs e Hama, anunciou esta sexta-feira o Observatório dos Direitos Humanos Sírio.

De acordo com Organização Não-Governamental (ONG), os jihadistas têm como alvo os postos de controlo e concentrações de forças governamentais nas áreas de Al Sujna e Sheij Hilal, em Homs e Hama, respetivamente.

Segundo o Observatório, há também vítimas mortais entre os extremistas, mas não foi possível contabilizá-las.

A agência de notícias oficial síria, Sana, sublinhou que as unidades militares mataram vários «terroristas» que se deslocavam na zona de Homs.

A ONG adiantou que há duas semanas que o Estado Islâmico tinha a intenção de lançar ataques contra zonas rurais de Homs e Hama para elevar a moral dos seus seguidores, depois das derrotas sofridas nas províncias de Alepo e Al Hasaka.

No passado 26 de janeiro, os extremistas foram expulsos pelas forças curdas no enclave curdo sírio de Kobani, em Alepo.

O Estado Islâmico proclamou em finais de junho um califado na Síria e no Iraque, onde conquistou as partes norte e centro de ambos os países.