O papa Francisco chegou este sábado a Cuba, primeira etapa de uma viagem que o levará também aos Estados Unidos, os dois países que contaram com o seu apoio para restabelecerem relações diplomáticas.

O Airbus 330 da companhia Alitalia que transportava o papa aterrou poucos minutos antes das 16:00 locais (21:00 em Lisboa) no aeroporto José Martí de La Habana, onde era aguardado pelo Presidente cubano, Raúl Castro, e pelo cardela Jaime Ortega, o representante máximo da Igreja católica na ilha.

Francisco iniciou assim uma das viagens mais longas e delicadas do pontificado, que o levará à praça da Revolução, em Havana, ao Congresso dos Estados Unidos, em Washington, e à ONU em Nova Iorque.

Com uma agenda muito carregada, o papa argentino, de 78 anos, vai pronunciar 26 discursos: oito em Cuba e 18 nos Estados Unidos.

Até terça-feira, o papa estará em Cuba, com passagens por Havana, Holguin e Santiago, para encontros com jovens, famílias, bispos e, provavelmente, o líder histórico do regime Fidel Castro.

Três visitas papais em 17 anos mostram a atenção excecional do Vaticano a este país, onde o regime e a Igreja católica se congratulam com o apoio do papa à normalização das relações diplomáticas com os Estados Unidos.

O avião papal levará diretamente Francisco de Havana à base militar de Andrews, em Washington, onde será recebido pelo presidente Barack Obama.

Nos Estados Unidos, os dois momentos mais esperados serão os discursos, em inglês, no Congresso, em Washington e em espanhol na assembleia-geral das Nações Unidas, em Nova Iorque.

Ainda em Washington, Francisco vai canonizar o missionário espanhol Junipero Serra, que participou no século XVIII na evangelização da Califórnia (costa oeste).

Em Nova Iorque, o papa vai presidir no "Ground Zero" a uma cerimónia inter-religiosa contra o terrorismo e em memória das vítimas dos atentados de 11 de setembro de 2001.

Na última etapa, em Filadélfia (Pensilvânia), Jorge Bergoglio vai presidir ao encerramento do oitavo Encontro Mundial das Famílias católicas. Cerca de dois milhões de pessoas são esperadas para a missa final, ao ar livre, de acordo com as previsões da organização.