O número de vítimas do sismo que abalou o Equador, no sábado, subiu para 413, segundo o último boletim das autoridades, de acordo com a Associated Press. 

Um número avassalador, numa altura em que a terra ainda não parou de tremer. O Instituto Geofísico da Escola Politécnica Nacional do Equador registou, até ao momento, um total de 364 réplicas do sismo de magnitude 7,8 do passado sábado. O instituto indicou que as réplicas atingiram diferentes magnitudes, sendo que as duas mais fortes foram de 5,4 e 5,1. O organismo mantém vigilância permanente à situação sísmica do país, que no passado sábado enfrentou a pior tragédia em 67 anos, segundo o Governo.

O Ministério da Inclusão Económica e Social (MIES) do Equador anunciou, na segunda-feira, que transportou 195 toneladas de doações para as zonas mais afetadas pelo sismo de magnitude 7,8 que atingiu o país no passado sábado.

Medicamentos, colchões e 26.333 litros de água também fazem parte das doações “de milhares de pessoas para com as populações afetadas nas províncias de Manabí, Esmeraldas, Guayas, Santa Elena, Los Ríos e Santo Domingo de los Tsáchilas”, em estado de emergência após o sismo, indica o MIES.

Ajuda da União Europeia

A União Europeia vai contribuir com 14 milhões de euros para um fundo que facilita o acesso a seguros contra riscos de catástrofes a países da América Central e à República Dominicana, informou na segunda-feira fonte comunitária.

A UE comprometeu-se a disponibilizar estes fundos através de um acordo firmado com o Banco Mundial, indicou a delegação do organismo europeu num encontro com o Sistema de Integração Centro-americano, com sede em Manágua.

Este dinheiro vai permitir aos governos dos países da América Central e à República Dominicana aceder a um seguro de baixo custo e elevada qualidade contra riscos de catástrofes, explicou a entidade numa declaração pública.